A INB-Nuclemon sabia que contaminava seus funcionários Destaque

 

Publicação4.jpeg.jpgPublicação3.jpeg.jpgPublicação.jpeg.jpg

A poeira que podemos visualizar nessas fotos trata-se de poeira radioativa. Estas fotos foram tiradas no setor de produção da empresa INB (antiga Nuclemon) no ano de 1993.

 

A INB-Nuclemon sabia que contaminava seus funcionários

É de conhecimento geral os males causados pela contaminação por radiação, e diante da poeira exibida nas fotografias anexas a esse artigo, resta uma pergunta: será que alguém nos dias atuais aceitaria trabalhar nessa empresa (Nuclemon) nestas condições? Acredito que hoje quase ninguém aceitaria.

Quase, pois, mesmo com tanto acesso à informação, esse assunto não é tratado com o respeito que merece. O descaso das autoridades competentes de todos os setores em relação a este assunto, ano após ano, aliado à falta de comprometimento e de interesse em alavancar uma proteção eficiente para os trabalhadores expostos à radiação, traz receio de que alguém ainda possa está sujeito a este tipo de trabalho.

Principalmente com o alto índice de desemprego e a pouca abordagem sobre o assunto em vários pontos do país. Infelizmente é possível crê que haja ainda muitos trabalhadores sujeitos à exposição à radiação sem devida proteção e seguridade que merecem.

Pessoas que conhecem sobre contaminação radioativa e que rejeitam uma situação de trabalho de exposição à materiais perigosos para saúde humana exerce seus direitos: o de conhecimento e o de escolha.

Já para um grupo de ex-funcionários da INB-Nuclemon, esses direito foram usurpados. No ato da contratação, eles não foram informados sobre a radiação emitida durante o manuseio de materiais radioativos e quanto isso podia afetar a saúde deles. Não tiveram o direito ao conhecimento e não exerceram seu poder de escolha.

Após o estrago feito em Goiânia com o acidente Césio 137, em 1987, onde a contaminação de toda uma família pelo agente radiativo encontrado em um ferro velho, que repercutiu no jornais de todo o mundo, fez com que a "ficha desses funcionários da INB-Nuclemom caísse". Porém, já era tarde! Muitos destes funcionários já tinham sido expostos à radiação ao longo dos anos.

Após a repercussão do Césio 137, iniciou-se vários movimentos em defesa dos trabalhadores e não demorou muito para a então INB-Nuclemon-Usan decidir fechar as portas, mas precisamente em 1993.

O fechamento da empresa implicou na demissão dos funcionários, inclusive daqueles diagnosticados com silicose, mesmo após terem sido submetidos à exames. É importante salientar que os exames só passaram a ser realizados após o acidente de Goiânia.

O episódio levou a empresa rapidamente demitir todos os funcionários. E mesmo assim manteve o discurso de que o produto era inofensivo, de que não traria mal aos ex-funcionários e que eles poderiam seguir suas vidas normalmente.

Quando demitidos, a empresa não ofereceu assistência médica, mesmo os trabalhadores estando protegidos pelo Decreto da Convenção 115, artigo 12, da Organização Internacional do Trabalho (OIT), a qual o Brasil é signatário, e que deve amparar os trabalhadores exposto à radiação. Mas o beneficio não chegou.

Além dos funcionários que já haviam sido demitidos doentes antes da empresa fechar, outros inúmeros adoeceram rapidamente e morreram na mesma velocidade, deixando suas famílias desamparadas.

Os que se mantiveram vivos, poucos anos mais tarde, apresentaram diversos tipos câncer e outros tipos de doenças.

Até hoje esses ex-funcionários lutam na justiça em busca de assistência médica vitalícia e por reparação financeira. Os que sobreviveram estão doentes e o pouco que ganham de aposentadoria gastam com medicamentos. A maioria desses trabalhadores não tiveram o direito de aproveitar a velhice com dignidade, pois até isso a radiação, a INB-Nuclemon, lhes tirou.

Sandra Alves

Filha de José Venâncio Alves, uma da vítimas contaminadas pela INB-Nuclemon

 

Publicação6.jpeg (1).jpgPublicação5.jpeg.jpg

Uns protegidos e outros largados a própria sorte. A CNEn ajudou a descontaminar e verificar o grau de contaminação em Goiânia, no caso 137. Como não podia saber do mal causado aos trabalhadores INB -Nuclemon?

Ler 65 vezes

Imagens ANTPEN

Para Site da Antpen

WhatsApp Image 2017 11 07 at 15.33.21

Memorial das vítimas

vitimas fatais novo 01

side bar tania

Especial Energia Nuclear

Reportagem produzida em 24/04/2006

Conecte-se conosco

WhatsApp Image 2017 11 07 at 15.33.07 1

WhatsApp Image 2017 11 07 at 15.33.06

WhatsApp Image 2017 11 07 at 15.33.11

 

Veja todos os nosso vídeos

veja os videos

 

antpen logo 2

A Associação Nacional dos Trabalhadores da Produção de Energia Nuclear (ANTPEN) é uma associação formada por trabalhadores, ex-funcionários e parentes afetados pela contaminação por radiação. Com o objetivo de propor ações judiciais em favor de seus associados, pela ratificação da convenção 115 juntamente com artigo 12 e conscientizar à população em geral, trabalhadores e a opinião pública sobre os riscos da radiação e seus efeitos nocivos.

ANTPEN - Associação Nacional dos Trabalhadores da Produção de Energia Nuclear
Rua Ada Negri, 127 - Santo Amaro - SP
CEP: 04755-000
Telefone: (11) 5831-4162

Novidades

logo sindicatobla branco logo novo logo diesat rodapeblababla branco logo abrea1 branco zeropoint logo 1 branco mpt logo novo